Notícias

“Revolta das Agulhas” em Alcobaça

22nd Julho, 2015

Pela segunda vez consecutiva o Colectivo “Revolta das Agulhas”, de Moledo, é convidado a estar presente na Bienal de Arte Experimental “Rabiscuit”, em Alcobaça. A mostra vai estar patente nos dias 24, 25 e 26 de Julho em redor do Mosteiro de Alcobaça.

Este Colectivo surgiu em 2013, tendo a sua primeira intervenção em Março desse ano, com a instalação “Ode às árvores”. Trata-se dum grupo formado por várias pessoas da comunidade de Moledo. A sua constituição não é fixa, têm passado por ele vários elementos, de várias idades e géneros, onde já se trabalhou crochet, o tricot, a técnica do tafetá, em vários suportes. O seu principal propósito tem sido intervir no espaço urbano, por vezes indo ao encontro das tradições e costumes da aldeia, por forma a melhorar, reabilitar esses mesmos espaços animando-os com cor. Salienta-se assim a importância de cuidarmos do espaço que é comum a todos.

Há dois anos o Colectivo participou na 6ª edição da Bienal do Rabiscuits com a instalação “O estendal do Paço”. Um trabalho que tratava a temática “Inesiana” bastante querida de Moledo (bem como de Alcobaça) e que os tem unido profundamente desde então. Essa instalação consistia em três mantas, que correspondiam respectivamente aos filhos de D. Pedro e Dona Inês de Castro. Esse trabalho foi instalado no Claustro da Hospedaria do Mosteiro. Posteriormente, essa instalação esteve ainda patente no Moledo, integrada na “Mostra de Arte Pública em Contexto Rural”, no verão de 2014.

Este ano a participação da “Revolta das Agulhas” consiste num trabalho muito distinto. Perde o tom historicista e revivalista debruçando-se sobre a actualidade, virando-se para o presente do Moledo. Assim, sob Orientação de Cristina Henriques e João Leirão, a “Revolta” propõe uma instalação que deixa a descoberto uma das maiores preocupações comum a todos os habitantes de Moledo.

Numa altura em que as escolas de Moledo se debatem pela sua permanência, o mote para o trabalho do Colectivo “Revolta das Agulhas” são as crianças e a importância que têm para a vida da aldeia. São um órgão vital, “os pulmões”. Deste modo, propõe-se instalar 50 cadeiras que simbolizam as salas de aula e as suas crianças (Jardim de Infância e Escola de 1ºCiclo de Moledo). Todas as cadeiras estarão identificadas com os nomes dos alunos que as frequentaram durante o ano lectivo de 2014/2015. Simbolicamente as cadeiras encontram-se ligadas por um enorme cordão de lã, que formará uma teia, que revela a necessidade da escola permanecer “amarrada” Moledo, para a saúde do mesmo.