Notícias

A escola desde o início

2nd Outubro, 2015

Faz hoje uma semana que a imprensa nacional deu conta de um inquérito aberto pelo Ministério Público relativo à expropriação de 13 parcelas de terreno em Miragaia por parte do anterior Executivo Municipal com vista à construção da Nova Escola Básica da aldeia, em que alegadamente, uma das parcelas era propriedade de familiares do antigo Presidente de Câmara e atual Presidente da Assembleia Municipal da Lourinhã, José Manuel Custódio.

 A RCL quis saber qual a posição do atual Executivo Municipal relativamente a este inquérito e aproveitou a deixa para fazer um balanço do arranque do ano letivo nas escolas do concelho, na perspetiva do Vereador responsável pelo Pelouro da Educação, Fernando Oliveira.

 A Escola Básica de Miragaia é um tema que ainda hoje faz correr tinta nos jornais e levanta controvérsia por parte da opinião pública no concelho da Lourinhã. Já lá vão 6 anos desde que a aldeia de Miragaia foi o epicentro da polémica que ainda hoje subsiste, mas houve outros episódios que marcaram a execução da obra.

 Começando pela construção da escola, que teve de ser realizada num espaço temporal de 1 ano, houve um caso dramático que acabou por não condicionar o cumprimento do prazo, como nos disse o Vereador Fernando Oliveira.

Uma vez terminada a obra, o desafio seguinte consistiu em efectuar a mudança simultânea da Escola Dr. João das Regras para a escola Afonso Rodrigues Pereira e esta para a escola de Miragaia, o que resultou, segundo Fernando Oliveira, num enorme esforço e trabalho de colaboração entre Agrupamentos.

Quanto ao dia de abertura da escola de Miragaia, Fernando Oliveira defende que é o início de um período em que professores, alunos e funcionários ainda estão a conhecer os cantos à casa e refere-se ao atraso no serviço de refeições do segundo dia de aulas como um percalço já ultrapassado.

Voltamos literalmente à base da escola de Miragaia, nomeadamente aos terrenos em que esta se encontra edificada, uma vez que já com as aulas a decorrer este ainda é um tema atual na comunicação social a nível nacional. O Município da Lourinhã, pela voz do Vereador Fernando Oliveira, faz a sua leitura deste episódio que já envolve o Ministério Público e que não lhe diminuiu a tranquilidade.

O mediatismo em torno da localização da nova escola básica do concelho está relacionado, na opinião de Fernando Oliveira, com a discordância de algumas pessoas. O Vereador acredita que a concentração de escolas na sede de concelho não era a melhor opção estratégica para o município.

Ainda no capítulo dos “holofotes” da comunicação social, o arranque do ano letivo no dia 21 de setembro, uma segunda-feira, ficou marcado por um episódio curioso que o Vereador confidenciou à RCL.

A escola de Miragaia é uma obra pública com uma importância significativa e levou a opinião pública a questionar a opção do Município quanto à não inauguração oficial da estrutura. O Vereador Fernando Oliveira esclarece que esse cenário não está posto de lado e que chegaram a ser enviados convites para uma suposta inauguração que acabou por não se concretizar.

O maior constrangimento no arranque deste ano letivo esteve e continua a estar relacionado com os transportes. No caso da transportadora Rodoviária do Oeste que faz a ligação à escola de Miragaia, o Vereador Fernando Oliveira garantiu à RCL que os atrasos nas carreiras prendem-se com acertos nas rotas que são inéditas e por isso a transportadora está a levar algum tempo a adaptar-se ao novo percurso.

 Já no caso da transportadora Barraqueiro, responsável pelo transporte de alunos para a Escola Básica de Ribamar, tem havido constrangimentos, nomeadamente no que toca aos alunos da freguesia de Vimeiro.

Já depois desta entrevista, o Vereador Fernando Oliveira entrou em contacto com a RCL para confirmar que a partir do dia 2 de Outubro, sexta-feira, os problemas relacionados com o horário da manhã tinham sido ultrapassados, uma vez que a Barraqueiro e o município chegaram a acordo e a carreira volta à rotina do ano passado, ou seja, começa às 7:30. Contudo, o horário da tarde ainda se mantém inalterado e em fase de negociação.

A expectativa do município da Lourinhã é que a partir das próximas semanas o ano letivo entre em velocidade cruzeiro, depois de um arranque marcado por vários episódios. Para o Município, a avaliação do arranque do ano lectivo termina com nota positiva.