Notícias

Lourinhã “invadida” por dinossauros a partir de março

31st Janeiro, 2017

Depois de ter sido hoje confirmada, em comunicado enviado pela empresa alemã PDL, a abertura do Parque dos Dinossauros da Lourinhã no início do próximo ano, informação que já tinha sido adiantada aquando da aprovação do projeto de construção do parque, houve neste comunicado, que a seguir transcrevemos na íntegra, uma frase que nos levantou dúvidas:

“Prevê-se que os primeiros modelos possam ser vistos na Lourinhã já a partir de março deste ano.”

Contactámos o Município da Lourinhã, enquanto entidade parceira da PDL, para esclarecer a “invasão” e foi o executivo que nos confirmou que a vila da Lourinhã será invadida por dinossauros já a partir de março, mas que será em agosto, numa parceria com o GEAL (Grupo de Etnologia e Arqueologia da Lourinhã), que o ponto alto desta invasão terá lugar.

O objetivo, diz o município, é promover o futuro parque e a importância dos dinossauros e da paleontologia para o nosso concelho, não adiantando ainda se a invasão será permanente ou se os modelos expostos nas ruas da Lourinhã serão depois transferidos para o parque, no Pinhal dos Camarnais.

 

Comunicado da PDL:

 

Início da construção do museu ao ar livre “Parque dos Dinossauros da Lourinhã” em janeiro de 2017 – Conclusão prevista para 2018

“A primeira fase de construção do Parque de Dinossauros da Lourinhã, que consistia nos trabalhos de preparação do terreno, foi concluída, recentemente, com sucesso e em tempo útil”, afirma o presidente da Câmara Municipal, João Duarte Carvalho. O representante máximo da autarquia adianta ainda que o Município também já emitiu o alvará de construção deste empreendimento, que vai combinar a vertente museológica com uma forte componente ao ar livre. A localização vai ser em pleno Pinhal dos Camarnais, uma área verde cedida pela autarquia à empresa promotora PDL – Parque de Dinossauros da Lourinhã, Lda.

O gerente da Dinopark-Gruppe e representante da PDL, Franz-Josef Dickmann, mostra-se satisfeito: “Desta forma, podemos dar início já neste mês de janeiro, e tal como planeado, à construção do edifício e das áreas exteriores”. “Estamos a cumprir os prazos previstos”, reiterou.

O Parque de Dinossauros da Lourinhã é um projeto para todos os públicos e faixas etárias. Um empreendimento de âmbito intergeracional que pretende receber turistas de todo o Mundo, famílias, investigadores da área de paleontologia, estudantes e outros grupos.

À entrada do complexo, o visitante vai encontrar uma área de restauração e uma loja do museu, bem como um laboratório onde pode observar a preparação de fósseis, que depois vão ser expostos no espaço museológico – o ponto central de todo o equipamento. É aqui que o visitante vai conhecer os extraordinários achados de dinossauros provenientes da região, os futuros e os que se encontram atualmente em exposição no Museu da Lourinhã.

“Os novos achados locais vão ser preparados e expostos no futuro Parque de Dinossauros, sob direção do GEAL – Grupo de Etnologia e Arqueologia da Lourinhã (Museu da Lourinhã). Desta forma, também este material fóssil vai permanecer propriedade do GEAL ”, esclarece Lubélia Gonçalves, presidente da entidade.

Numa primeira fase, o exterior vai ser “povoado” por mais de 120 modelos de dinossauros construídos à escala real e cientificamente certificados. “Os modelos são tão realistas que até parecem ter vida”, afirma Dickmann, revelando que “o maior dinossauro terá um comprimento superior a 23 metros”. Prevê-se que os primeiros modelos possam ser vistos na Lourinhã já a partir de março deste ano.

Refira-se que as três entidades envolvidas no projeto – GEAL, Município da Lourinhã e PDL – têm vindo a desenvolver, desde há vários anos e de forma intensiva, um trabalho conjunto, com vista à concretização deste parque temático, tendo culminado, em outubro último, com a celebração de um acordo de cooperação trilateral, que dá corpo à parceria.

Testado com sucesso em diversos locais da Europa, o conceito deste parque temático assenta no slogan “A ciência é divertida” e democratiza o acesso ao conhecimento científico. “É ciência ao alcance de todos que educa e diverte!” afirma Dickmann, confiante.

Na base desta ideia está o museu de dinossauros ao ar livre em Münchehagen (Alemanha), que, entretanto, se tornou o maior local de aprendizagem fora do contexto escolar, na área de Niedersachsen.

É de referir que o parque alemão apresenta muitos pontos em comum com o da Lourinhã. Münchehagen é um sítio paleontológico, onde – tal como na Lourinhã – foram descobertos, e continuam anualmente a ser encontrados, novos testemunhos de tempos remotos, que depois são preparados, estudados cientificamente e exibidos: por exemplo, pegadas de dinossauro e ossos de dinossauro únicos, nomeadamente do Europasaurus holgeri.

A própria colaboração luso-alemã entre Münchehagen e a Lourinhã vem de longa data. Os achados do Europasaurus são, desde há mais de 15 anos, objeto de uma investigação conjunta entre os museus de Münchehagen e da Lourinhã. Também em parceria têm sido publicados vários estudos por Nils Knötschke, diretor científico e preparador no Museu de Münchehagen, e o paleontólogo Octávio Mateus, investigador no Museu da Lourinhã e professor na Faculdade de Ciências e Tecnologia – FCT ( Universidade Nova de Lisboa).

“Ambos os sítios paleontológicos são incrivelmente entusiasmantes, multifacetados e com relevo internacional. Tal como na Alemanha, também em Portugal apoiaremos
financeiramente as escavações para a descoberta de novos achados na região da Lourinhã”, afirma Dickmann. Acrescenta ainda que o projeto português, apesar de muito semelhante, apresenta uma vantagem significativa relativamente ao alemão, que é o facto de poder estar aberto durante todo o ano, uma vez que as condições meteorológicas de Portugal são menos rigorosas do que na Alemanha, onde o parque de Münchehagen fica fechado durante os meses de inverno.

A par de todos estes atrativos, o Parque, que deve ser inaugurado no início de 2018, vai permitir a criação de 15 novos postos de trabalho diretos. Em paralelo toda a economia local vai beneficiar com este empreendimento que vai, definitivamente, projetar a Lourinhã enquanto “capital dos dinossauros”. O próprio país sai beneficiado com este Parque, que vai integrar a rota dos grandes destinos lúdico-turísticos da Europa.

Estas e outras razões levaram o Turismo de Portugal a apoiar este projeto, através de um financiamento parcial pelo COMPETE 2020, que vai ajudar a dar corpo a este relevante equipamento que alia a ciência e a educação à diversão.