Notícias

+ Ambiente

11th Março, 2016

lourambi logo

Foi no passado dia 25 de fevereiro que a Lourambi – Associação para Defesa do Ambiente do Concelho da Lourinhã foi a votos para eleger o novo Presidente da Direção. Ivo Augusto é natural e residente no concelho da Lourinhã e aos 31 anos lidera a mais antiga associação ligada à causa da defesa ambiental do concelho. Engenheiro do Ambiente e pós-graduado em gestão agro-alimentar, ex-vogal na anterior direção e já no exercício do mandato de dois anos, guiando a Lourambi na defesa dos interesses ambientais da Lourinhã, Ivo Augusto foi nosso convidado em estúdio para uma entrevista de antevisão aos principais desafios que o futuro trará à associação que preside.

IMG_20160309_175933

Ivo Augusto classifica a sua chegada à liderança da Lourambi como uma sucessão natural. Já fazia parte da anterior direção e, nesse contexto, considera que o seu ciclo será um prolongamento do trabalho levado a cabo pelas anteriores direções, ao longo dos últimos anos.

A par de Ivo Augusto, a direção da Lourambi é ainda composta pelo vice-presidente David Margarido, pela secretária Vera Ventura, Vanda Oliveira mantém-se na tesouraria, Marta Rolim é vogal e Fábio Almeida é vogal suplente.

O plano de atividades da Lourambi para os próximos dois anos está bem definido pela nova direção. Ivo Augusto destaca o papel da Lourambi na aproximação aos sócios e à população do concelho. Envolver toda a comunidade na defesa da causa ambiental e transformar os problemas identificados em soluções práticas.

Do ponto de vista da intervenção, a Lourambi dividiu a sua estratégia em três eixos fundamentais. As ações estruturais, pedagógicas e de intervenção:

Ações estruturais 

Ações Pedagógicas 

Ações de intervenção

‘Horta Comunitária da Vila’

A atividade mais visível da Lourambi está diretamente relacionada com o projeto ‘Horta Comunitária da Vila’. Este projeto, iniciado há alguns anos pela associação, permite à comunidade alugar um dos cerca de 30 talhões disponíveis no terreno agrícola da associação, junto à estrada que liga a Lourinhã à localidade de Montoito, próxima da ciclovia. Neste momento a taxa de ocupação da ‘Horta da Vila’ ronda os 50% e Ivo Augusto adianta quais as atividades pensadas para, no futuro, atrair mais utilizadores.

A curto-prazo, uma das forma de promover este projeto comunitário ligado à agricultura biológica, passa pela pintura do muro, como forma de atrair a atenção de quem passa. Para os interessados em abraçar o desafio, Ivo Augusto explica todos os passos que deve dar, caso esteja interessado em alugar um talhão na ‘Horta da Vila’.

Aliada à promoção da prática de agricultura biológica, a ‘Horta da Vila’ apresenta uma oportunidade pedagógica junto das escolas e instituições ligadas à educação. Ivo Augusto realça a importância de aproximar crianças e jovens do contacto com a terra.

Outra das iniciativas promovidas há alguns anos pela Lourambi e que está nos planos futuros da nova direção, prende-se com a oferta de cabazes solidários a instituições particulares de solidariedade social do concelho. No futuro, e dependente do ritmo de produção, poderá ser possível estender esta iniciativa a outras instituições.

Ainda no capítulo das atividades estruturais, a comunicação, com os sócios e comunidade em geral, é um ponto fundamental para dar resposta ao desafio de criar uma relação próxima e bilateral entre ambas as partes. É nesse sentido que Ivo Augusto destaca a importância de modernizar o contacto da Lourambi com as pessoas. Apesar de reconhecer que os sócios com quotas em dia não abundam, o presidente prefere destacar o papel ativo da comunidade na denuncia de problemas ambientais e no contacto que a mesma estabelece com a sua associação.

Outra das áreas de intervenção da Lourambi é, segundo o presidente, o papel de intermediário entre a denúncia de problemas ambientais e o seu encaminhamento para a entidade competente. Para Ivo Augusto, este papel orientador está facilitado, uma vez que considera que as pessoas se preocupam com a causa ambiental. A Lourambi pode ser nestes casos um intermediário que ajude a canalizar os problemas até às entidades competentes para o solucionar, e dá um exemplo prático.

A promoção do património paisagístico está contemplada no plano de atividades da Lourambi. Dar a conhecer aos lourinhanenses o seu concelho e as maravilhas naturais de algumas regiões é um dos objetivos da associação. O presidente Ivo Augusto dá exemplos de alguns dos locais que não ficam atrás de zonas do país mais mediatizadas.

A Lourambi assinala, em 2017, 25 anos de defesa da causa ambiental no concelho da Lourinhã, embora tenha sido criada com um propósito mais limitado e que diz respeito à defesa da despoluição do Rio Grande. Outros problemas ambientais começaram a entrar na agenda da associação, incluindo a exploração de inertes no Planalto das Cesaredas. Para Ivo Augusto a abordagem da Lourambi a qualquer problemática ambiental será sempre numa ótica de cooperação e diálogo conjunto.

Em 2012 a Lourambi promoveu uma caminhada ao longo de toda a extensão do Rio Grande desde a foz até à nascente, com o objetivo de fazer um levantamento de ocorrências com impacto ambiental negativo para o rio. Ivo Augusto pretende repetir esta iniciativa com o objetivo de identificar as alterações que possam ter ocorrido ao longo dos últimos anos.

Por força das circunstâncias, uma das entidades com quem a Lourambi estabelece maior relação é a Câmara Municipal da Louranhã, uma vez que é o órgão com mais competências a nível ambiental. Ivo Augusto avalia como positiva a relação entre a sua associação e o município e faz ainda a sua análise a um dos temas que tem estado na ordem do dia no panorama concelhio. A revisão do Plano Diretor Municipal da Lourinhã.

O futuro reserva muitos desafios à Lourambi na defesa dos interesses ambientais do nosso concelho. Um dos desafios que está diretamente ligado ao ambiente diz respeito à revisão do Plano de Ordenamento da Orla Costeira. Ivo Augusto defende que a associação que preside vai estar atenta e disponível para colaborar .

Com uma estratégia definida e uma equipa jovem e motivada, a Lourambi tem pela frente dois anos em que se compromete a trabalhar em várias frentes, sempre com a proteção do meio ambiente no horizonte. Ivo Augusto não promete concretizar todos os projetos nos próximos dois anos, mas garante que a Lourambi será no futuro uma mais valia para o concelho.